lembranças

Quando o casal Primavesi chegou ao Brasil em 15 de outubro de 1948, seu filho Odo tinha exatamente 8 meses. Com aquele bebê nos braços eles desembarcavam aqui não só com malões, vitrola e discos, álbuns de fotos, livros, louças, roupas e outros. Esta terra seria a depositária do melhor que eles tinham para dar, e deram: honestidade, capacidade de trabalho e muita competência. Da Áustria traziam objetos e utensílios, mas também lembranças da Guerra recém-terminada e a saudade daqueles que deixaram para trás. E a cada objeto ou pertence, uma recordação dos seus, de sua terra. “Lembranças” compartilha um pouco mais do que foi a vida naquele tempo e como se vivia, se pensava e agia. O Brasil seria a terra definitiva para o casal Primavesi e muitos de seus descendentes.

Presente para Artur

Ana, Artur e o pequeno Odo chegam ao Brasil em 1948. Com poucos recursos, para presentearem um ao outro, improvisavam.

O material que reproduzimos ao lado é o primeiro texto escrito de Ana Primavesi no Brasil, em 1950. Foi o presente de aniversário de Ana para Artur, e o embrião de sua principal obra, ”Manejo Ecológico do Solo”.

As pinturas em aquarela também são dela. 

máquinas
de escrever
de ana

Máquinas de escrever de Ana. A azul, da esquerda, guarda um texto que ela tinha iniciado e não terminou. Incrível achado.

Atlas de Domenico Pulgher

Capa e desenhos do Atlas de Domenico Pulgher, antepassado de Ana Primavesi. Ele foi um arquiteto famoso em sua época por ter construído mesquitas em Constantinopla, atual Istambul

Vitrola