capítulo 7

Artur

Annemarie conheceu Artur na faculdade (Boku) e sabia que estava entrando numa “enrascada” porque estava envolvida. Havia poucas garotas na Universidade e ela sofria um assédio acima do normal, mas com Artur era diferente. Naquele frio início de semestre ela não tinha saído com mais ninguém e esse amor ia se apoderando dela, de forma que mais uma vez a possibilidade de fugir começara a tomar forma. Quando a convocaram para o “Studenteneinsatz” ela teve a chance de escapar. Sem avisar ou deixar qualquer indício de onde estaria, Annemarie partiu com um grupo de estudantes para a França para coletar amostras de solos na região de Lorena (Lorraine), cuja capital, Metz, no nordeste da França, estava ocupada pela Alemanha.

Artur era dois anos mais velho do que Annemarie. Tinha olhos azuis, cabelos castanhos escuros e porte elegante, refinado. Fazia o mesmo curso que ela, Engenharia Agronômica.

Não se podia dizer que Artur era um estudante exemplar. Gostava de curtir a vida com motos, futebol, festas, garotas, e eram famosas suas histórias de noivados, nos quais se tornou um especialista. Na faculdade quase nunca aparecia, e se tivesse ido às aulas com o mesmo ânimo com que ia a um bairro de Viena chamado Grinzing (um bairro boêmio) talvez tivesse tido melhor desempenho como estudante. Não o teve, pois estava ocupado demais com os noivados que arranjava. Sabia que seria mais fácil
se livrar das garotas quando noivava, porque assim elas se sentiam seguras no relacionamento e ele podia prolongar a relação. Mas nunca pensava em se casar de fato.

Conhecendo essa característica de Artur, Annemarie não queria se envolver. Foi pra França e lá aperfeiçoou seus estudos analisando amostras de solo. (OBS: De nada adiantou a tentativa de esquecer Artur)

Share on facebook
Share on twitter

compartilhar